Economia Destaques

Juros do cartão de crédito chega ao nível mais alto desde 2017

Taxa do crédito rotativo chega a 398,4% ao ano em agosto. No cheque especial, custo médio cobrado do consumidor sobe para 128,6%. Altas refletem elevação da Selic promovida pelo BC. Número de famílias endividadas é recorde

A taxa média de juros cobradas nos cartões de crédito chegou a 398,4% ao ano em agosto. É o maior patamar desde agosto de 2017. O custo subiu 3,5 pontos percentuais no último mês e encareceu 62,9 pontos percentuais em 12 meses, segundo dados divulgados ontem pelo Banco Central. Também houve aumento no custo do cheque especial, que passou de 127,4% para 128,6% ao ano, em média.

 

Cartões de crédito e cheque especial são as duas linhas mais utilizadas pelos consumidores e estão relacionadas aos índices elevados de endividamento da população. O aumento dos juros dessas modalidades ajudou a elevar as taxas médias do crédito à pessoa física em geral, que subiram de 53,4% para 54,9% ao ano. Com isso, a taxa média de todo o sistema financeiro subiu de 40,4% ao ano, em julho, para 40,6% em agosto. Esses dados são do chamado segmento livre, ou seja, recursos que os bancos podem aplicar a seu critério, sem computar as taxas do sistema habitacional, crédito rural e BNDES, que são reguladas.

Segundo Robson Gonçalves, economista e professor de MBA da Fundação Getúlio Vargas a alta nos juros é consequência direta da elevação da taxa básica, a Selic, nos últimos meses, promovida pelo BC para segurar a inflação. “A taxa básica de juros concorre com a linha de crédito dos bancos privados e estipula o patamar dos investimentos no Brasil. Com menos capital de crédito em circulação, os bancos aumentam os juros como estratégia para mitigar riscos. Assim, o aumento generalizado diminui o apetite do setor privado em ofertar linhas de crédito”, explicou.

Gonçalves explicou que a escassez de créditos a juros baixos leva a população, sobretudo a que está endividada, a recorrer a linhas de financiamento com maior facilidade de acesso, como cheque especial e cartões. No entanto, o economista alerta que é necessário cuidado com essas modalidades, pois a imprevisibilidade e o custo elevado podem gerar dívidas em série.

“Quando você faz um financiamento de imóvel, por exemplo, você simula o valor das parcelas e tem a clareza de quanto comprometerá da sua renda para pagar. Em uma modalidade como o cheque especial, que não tem isso explícito, o consumidor está muito mais sujeito a um alto custo. Muitas pessoas em situação complicada usam como último recurso, mas estão comprometendo a renda de forma destrambelhada. Isso acaba sendo uma válvula de escape num gatilho de compra. No entanto, pode causar muito prejuízo no futuro se não for bem planejado”, afirma o especialista.

Sobre autor

Nossa Radio USA - News

Nossa Radio USA - News

Add Comentário

Click here to post a comment