Notícias

Imigrante diz que DACA lhe encorajou a falar sobre status de indocumentada

Publicado: abril, 2018

Imigrante diz que DACA lhe encorajou a falar sobre status de indocumentada

Crescendo em Michigan como imigrante indocumentada, Nejvi Bejko diz que poucas pessoas sabiam sobre seu status. Ela acha que pelo fato de ser branca tem muito a ver com isso.

“Ninguém realmente olha para mim e pensa: “Ela deve ser deportada ou todas essas palavras de ódio que não se aplicam necessariamente a mim por causa de minha aparência”, disse ela, que veio da Albânia para Michigan quando tinha 9 anos de idade, com seus pais e um irmão mais novo.

Nejvi que chegou aos Estados Unidos com seus pais e um irmão, acrescentou que sua família não escondeu seu status de imigração, mas comentava pouco sobre o assunto. No ensino médio, ela começou a perceber que sua vida nos EUA era diferente da de seus colegas.

“Você se esconde porque não pode dirigir ou se mudar para a faculdade”, disse. “Então, você se torna essa pessoa antissocial essencialmente porque precisa”.

Como imigrante indocumentado, ela não podia pagar muitas das melhores escolas de Michigan; seu status de indocumentado significava que não era elegível para o “in-state tuition”. Sua única opção era ficar em sua pequena cidade e esperar a chance de cursar os dois primeiros anos em uma faculdade comunitária local. Ela finalmente conseguiu um estágio em uma empresa de roupas em Washington, DC.

Então, em 2012, o presidente Barack Obama usou uma ação executiva para criar o DACA (Deferred Action for Childhood Arrivals) programa que temporariamente protegeu da deportação alguns imigrantes indocumentados que chegaram aos EUA quando eram crianças. Com isso, a imigrante conseguiu uma carteira de motorista e uma autorização de trabalho.

Com os documentos, ela deixou o estágio e ingressou na Michigan State University. Desde 2013, a escola permite que residentes que frequentem uma escola de Michigan paguem mensalidades, independentemente do status de imigração – para obter um diploma de bacharel em Vestuário e Design Têxtil.

Quando o presidente Donald Trump anunciou em setembro passado que seu governo acabaria com o DACA, a imigrante decidiu se juntar à luta pela reforma da imigração. Ela se conectou com um grupo de defesa de imigrantes e começou a conversar com legisladores e a mídia sobre seu status de imigrante.

“Eu entendo o que todo mundo está passando. Antes era mais fácil passar desapercebida e me misturar, mas agora há muita coisa em jogo”, disse ela, cuja licença de trabalho do DACA expira em outubro.

Em fevereiro, a Suprema Corte confirmou a decisão de um tribunal inferior de impedir que a administração Trump acabe com o DACA enquanto um processo está em andamento. Isso significa que a imigrante poderá renovar seu status por enquanto, mas as coisas podem mudar novamente dependendo do resultado do processo ou se o Congresso tomar alguma atitude.

Pouco antes do evento anual White House Easter Egg Roll, no dia 2 de abril, Trump postou no Twitter que o “DACA está morto” e culpou os democratas por inação. Ele, erroneamente, proclamou que “todo mundo quer entrar no movimento do DACA”.

Na verdade, o programa tem muitas restrições, incluindo exigências de que os beneficiados devem estar nos EUA continuamente desde 2007 e terem chego antes dos 16 anos.

O Centro de Pesquisas Pew estima que 5.200 beneficiados pelo DACA são da Europa, tornando-os um grupo frequentemente negligenciado, já que imaginam que a maioria dos imigrantes com DACA vem do México.

“É sempre muito estranho dizer: ‘Não, eu sou da Europa Oriental e há outras pessoas como eu'”, diz ela. “As pessoas apenas balançam a cabeça e acenam, mas ainda parecem confusas sobre como eu poderia ser uma beneficiária do DACA”, finaliza.

Fotos

Comentários no Facebook

MAIS LIDAS

maio 7, 2018 às maio 7, 2018 3:08

Ruas de Jerusalém já têm placas da embaixada dos EUA

O confeiteiro americano que chegou à Suprema Corte por se negar a fazer um  bolo para um casamento homossexual voltou à Justiça,...

Ler mais
julho 11, 2018 às julho 11, 2018 4:35

Viajante tenta sair dos EUA levando uma cobra python

O confeiteiro americano que chegou à Suprema Corte por se negar a fazer um  bolo para um casamento homossexual voltou à Justiça,...

Ler mais
julho 4, 2018 às julho 4, 2018 5:50

Esquenta da Copa Rússia 2018 no Tropical Café

O confeiteiro americano que chegou à Suprema Corte por se negar a fazer um  bolo para um casamento homossexual voltou à Justiça,...

Ler mais
maio 9, 2018 às maio 9, 2018 3:48

Presidente do Irã diz que enriquecerá ‘mais urânio do que nunca’

O confeiteiro americano que chegou à Suprema Corte por se negar a fazer um  bolo para um casamento homossexual voltou à Justiça,...

Ler mais

Nossa Rádio USA

Newsletter